14 de janeiro de 2017

O melhor da temporada nesta segunda às 21h30

#EmicidaNoEspelho

11 de janeiro de 2017

Dica de livro: O Africano que existe em nós brasileiros





‪#‎DicaDeLivroDoEspelho

Este livro transcende a cultura africana em cores, histórias, costumes e desenhos estampados no comportamento e vestuário dos brasileiros. 

Com texto, criações de moda e famílias tipográficas assinados pela designer de moda Julia Vidal, este livro busca identificar as raízes africanas na cultura brasileira, tendo como fio condutor a arte africana e sua influência na moda e no design afro-brasileiros.

O africano que existe em nós, brasileiros tem o propósito de valorizar a expressão cultural das raízes africanas no Brasil, refletidas em nossas representações artísticas.

Autor(a): Julia Vidal


Fonte: Travessa

7 de janeiro de 2017

O melhor da temporada nesta segunda às 21h30


#EmicidaNoEspelho

4 de janeiro de 2017

Dica de livro: Nei Lopes Rio Negro 50

‪#‎DicaDeLivroDoEspelho

Um romance passado no Rio nos anos 50, em plena afirmação do negro na sociedade

As histórias – pois são muitas as vidas que se cruzam neste romance – começam no dia 17 de julho de 1950, quando a derrota do escrete brasileiro na Copa do Mundo motiva um assassinato absurdo, de fortes conotações racistas. O crime é discutido na roda do Café e Bar Rio Negro, epicentro da vida intelectual dos “homens de cor” na Capital da República, e onde somos apresentados a fascinantes personagens. A partir desse microcosmo da então capital da República, em que personagens da história brasileira, como Dolores Duran e Abdias Nascimento, se cruzam nas deliciosas criações ficcionais de Nei Lopes, percorremos uma década decisiva da cidade do Rio de Janeiro e da afirmação da cultura afro-brasileira. 

• Renomado pesquisador, autor e intérprete de clássicos da música brasileira, Nei Lopes é autor dos romances A lua triste descamba e Mandingas da “Mulata Velha” na Cidade Nova, além de importantes obras de referência sobre a cultura afro-brasileira, como Enciclopédia da Diáspora Africana e Dicionário da Antiguidade Africana. Em 2005 recebeu do governo federal a comenda da Ordem de Mérito Cultural. Em 2006 foi incluído no rol dos “100 brasileiros geniais”, em votação da revista O Globo.

• “Pelo ritmo e pela picardia, Rio Negro, 50 deveria ser lido ao acompanhamento de um quarteto, não de cordas, mas de tamborins.” - Ruy Castro


Fonte: Editorial Record

31 de dezembro de 2016

O melhor da temporada nesta segunda às 21h30

#MuriloBenícioNoEspelho

28 de dezembro de 2016

Dica de livro: Correntezas e outros estudos marinhos


‪#‎DicaDeLivroDoEspelho
É da escrita de Lívia Natália também o constatar da dor da solidão. Águas oceânicas podem metaforizar águas-lágrimas do ser humano, nos versos do poema Natureza submersa. Aparece a imagem de um mar antropomorfizado, experimentando sentimentos de desamparo e solidão, como o ser humano experimenta, nos seguintes versos: 

O mar se move sem olhos para dormir [...] 
A fina transparência das Águas 
Não dissimula seu desamparo. 

No poema Inominado, uma voz sujeito–mulher, fala de seu desconsolo:

Vivo com um silêncio desconsolado [...]
E ninguém percebe esta ferida que sangra pra dentro.
Apesar da cicatriz.

Entretanto há poemas em que a enunciação descreve o encontro, o amor com suas cenas amorosas. Uma voz —sujeito-mulher — louva o ser amado, um homem. Poemas como: Poeminha de amor sem enfeite nenhum, Um poema em seu nome, dentre outros, colocam em cena uma mulher bendizendo a sua aventura amorosa.

Tudo na poesia de Lívia Natália é cuidado. Das imagens às palavras para descrevê-las. Nada sobra na arquiteturade seus versos. Só os sentidos são amplos e vazam como águas em seus incontidos limites".

Por Conceicao Evaristo

24 de dezembro de 2016

O melhor da temporada nesta segunda às 21h30

‪#SolangeCoutoNoEspelho

21 de dezembro de 2016

Dica de livro: Educação e axé

‪#‎DicaDeLivroDoEspelho
"Este livro materializa um ciclo de trocas e aprendizagens efetivas, consolidadas ao longo do curso da disciplina “Tópico Especial em Educação, Epistemologias e Religiosidades de Matriz Africana”, ofertada no segundo semestre de 2013, no Curso de Mestrado Acadêmico em Educação do Programa de Pós-Graduação em Educação, Contextos Contemporâneos e Demandas Populares (PPGEDUC) da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro. Se por um lado, seus artigos denunciam o preconceito epistemológico vivido todos os dias nas escolas brasileiras, por outro, seus conteúdos lançam a esperança de que a escola venha a ser o espaço de livre expressão das culturas que nela circulam. Trata-se de uma obra surgida de dentro do PPGEduc, em parceria com diversos docentes, estudantes de pós-graduação e militantes do movimento social empenhados no combate ao racismo e à intolerância religiosa na educação."

Texto retirado de UFRRJ - Programa de pós-graduação em Educação, Contextos Contemporâneos e Demandas Populares

17 de dezembro de 2016

O melhor da temporada nesta segunda às 21h30

‪#ConceiçãoEvaristoNoEspelho

14 de dezembro de 2016

Dica de livro: Kizomba de vento e nuvem

‪#‎DicaDeLivroDoEspelho
Este Kizomba de vento e nuvem marca mais um ponto para o conjunto de obras que não tergiversam ou silenciam sobre os variados e complexos tópicos relativos às relações raciais. Este livro também aborda outras tantas facetas da vida nacional, demonstrando a importância de a poesia ir além das questões de fundo amoroso, abarcando assuntos mais espinhosos e inusitados, pois em verso o mundo pode ser iluminado nas suas mais misteriosas cavernas. Este livro é um entrelace de sonoridades - ora harmônicas, ora dissonantes - e metafóricas que redimensiona com acuidade nossa percepção dos sinuosos caminhos da consciência e das emoções.

Fonte: Ina Livros