4 de maio de 2012

Promoção: Concorra ao livro "O negro no século XXI" de Luislinda Valois



O Programa Espelho tem o prazer de receber a primeira juíza negra do Brasil, Luislinda Valois. E como se não bastasse sua entrevista cedida a Lázaro Ramos, o Espelho ainda irá sortear o livro "O negro no século XXI" cujo Luislinda é autora.
Não perca tempo e participe agora!

REGULAMENTO DA PROMOÇÃO:
Validade: De 04 de Maio até o término do programa de segunda-feira.
Resultado: Terça- feira.
Onde participar: Você pode participar por todas as redes sociais do Espelho: basta deixar um comentário abaixo deste post com a resposta, responder através do Facebook, Twitter ou Orkut.
IMPORTANTE: Quem participar pelo Twitter, deve acescentar a tag #programaespelho após a resposta. As mensagens que não tiverem a tag estrão automaticamente desclassificadas.
Como participar: A temporada do Espelho Arte quer saber: o que é arte para você? Responda e concorra ao livro.
INFORMAÇÕES SOBRE O LIVRO
Sinopse: Com sensibilidade ímpar para entender a necessidade mais básica da alma humana – ser acolhida, a autora compreendeu o real sentido do amor crístico: acolher amorosamente.
Pode parecer até fácil de dizer e entender, mas, acreditem, é algo de difícil prática, principalmente em uma sociedade alicerçada em estereótipos dos mais diversos e ininteligíveis.
Estereótipos que segregam as pessoas e as classificam em aceitáveis ou inaceitáveis, ignorando a verdadeira natureza humana que é a diferenciação.
O ser diferente é inerente à nossa natureza, entretanto a violência segregacionista se instala de forma indelével até mesmo em discursos aparentemente inofensivos e politicamente corretos.
Com uma capacidade intelectual privilegiada, “a nossa Ruy Barbosa de saia”, como já foi apropriadamente classificada, a magistrada Luislinda de Valois lança luzes onde, na rotina do dia a dia, as trevas do discernimento torto ofuscam a verdade.
A verdade, essa senhora de alma pura – mas não necessariamente branca, podendo até mesmo sê-la, porque a brancura não a excluiria dessa qualidade e de nenhuma outra – nos retém, nos faz reduzir o passo e prestar atenção ao que nos acostumamos a ignorar.
A escritora e magistrada há décadas agrega à atividade da magistratura, com recursos próprios e ajuda de amigos, a atenção social às camadas mais carentes da população, notadamente a população negra, com palestras educativas, doações de gêneros alimentícios e de higiene, entre muitos outros cuidados.
Com maestria, de forma direta e objetiva, nos conduz à luz do reconhecimento de uma verdade dolorosa, que se mantém escondida atrás de cortinas imateriais, porém pesadas, à realidade da dor secular que atinge a todo um povo que, refém de leis hipócritas, é mantido de mãos atadas, mesmo com os enferrujados grilhões aparentemente rompidos.
Luislinda de Valois nos põe a refletir, com ânsia de mudança, que é preciso curar as feridas, mas não poderemos esquecer as cicatrizes se elas continuarem a sangrar.
Sobre a autora: Luislinda Dias de Valois Santos é Juíza desde 1984, atuando na Bahia, realizou diversos projetos em defesa de seu povo oprimido e discriminado, conquistando respeito e credibilidade, além de vários prêmios. Entre suas realizações estão a criação e instalação de vários juizados (inclusive itinerantes) em várias cidades da Bahia, além de participação no lançamento do Relatório Nacional Brasileiro em cumprimento à CEDAW – Convenção para Eliminação de Todas as Formas de Discriminação contra a Mulher – realizado no Palácio Planalto em Brasília.

6 comentários:

Vitor Castro disse...

arte? arte é cultura feita pelo artesão. o artesão é o artista que transporta a tradição ao longo das gerações, fazendo com que a arte se perpetue. arte é tradição assimilada, negada, transformada, é a cultura de nosso tempo.

Seastar disse...

Arte é ser e viver aquilo que a gente é sem esquecer o que de melhor podemos ser.

Durry disse...

Aos administradores do blog do Programa Espelho, umas breves e bravas linhas sobre os afrodescendentes do Brasil e do mundo:


Poema: Eu, negro!

Autor: Durval Arantes

Sou uma pessoa afrodescendente e amo o meu País.

Os cromossomos que correm em minhas artérias
Foram moldados por milhões de anos nos trópicos tórridos da Mãe África

Eu me gosto do jeito que eu sou

E por deslize de caráter,
Alguns querem me subestimar pela bela cor da minha pele

Mal sabem eles que a força da minha História
É resiliente, e é maior
Do que qualquer forma de preconceito e discriminação

Meus antepassados não foram escravos e sim escravizados.

Sou de paz, mas não me provoque;

Sou Martin Luther King, mas dentro de mim hiberna um Malcolm X

Se quiser me testar, vá em frente
Zumbi dos Palmares despertará dentro de mim

Não me calo, pois minha mensagem vem dos lábios de Anastácia

Cândido, pra mim, somente o João

Sou belo e encanto como Denzel e Lázaro,
mas se preciso for, invoco Nat Turner

Meu saber vem do ler, minha inspiração vem de Lélia

Sou força e intelecto desde o nascimento, assim como Abdias

Prezo a terra como os Miltons, cantando ou refletindo

Angela, Ruth, Camila, Michelle, Thais, Sharon, Naomi... nomes que me encantam

No meu sangue, samba, suor e soul

No meu corpo, a ginga milenar da capoeira

Na minha alma, a sabedoria inatingível dos meus griots celestiais

Não sou fulano; sou Solano!

Minha auto-estima tem o Patrocínio de José.

Quer falar de mulher negra vencedora?

Oprah... pode vir que tenho assunto!

Bendita (ou Benedita) seja a gringa!

Por tudo isso e pela História do meu povo, não me teste:

Meu orgulho é sem drama, pois meu idolo é o Obama

Prego a paz como Mandela,

Mas no embate sou Toussaint e Shaka Zulu.

PUBLICADO PELA PRIMEIRA VEZ NA INTERNET EM 15/04/12
SE FOR PUBLICAR, POR FAVOR IDENTIFIQUE O AUTOR.

Elizete Santos disse...

Arte para mim: O viver complexo do humano, que se liberta das amarras...

Liu@Sea disse...

Arte para mim é uma das ferramentas que temos para expressar o que sentimos e acreditamos. Pode-se com ela: ferir, encantar, combater ou repelir. A arte é a voz do povo. A arte da poder ao povo.

Tata disse...

Arte é todo tipo d expressão , d demonstração d sentimentos , d valorização d um povo ... e qdo esta arte é nata d um determinado local aí envolvemos história + saber + tradição .