7 de maio de 2014

Dica de livro da semana: Com tato cubano



A Kitabu Livraria e Editora inicia a coleção Cabeças Olmecas com o afro-cubano Alberto Guerra Naranjo e o seu livro de contos "Com tato cubano". 

Esta coleção propõe "divulgar, dialogar, mas principalmente disseminar a produção literária de las Hermanas e Hermanos afro-latinos no país".

Segue texto de orelha de capa de autoria de Ricardo Riso.

"Vez em quando o mercado editorial brasileiro contempla o público leitor com algum escritor do Caribe ou da América Latina.

No caso da pequena ilha desafiadora do Tio Sam, logo percebo a melanina pouco acentuada dos autores e a ausência dos entraves das relações raciais nos textos literários.

Diante das dificuldades impostas pelo mercado editorial, o pesquisador de literaturas negro-diaspóricas converte-se em um arqueólogo, procurando vestígios da presença dos negros escritores, uma vez que eles são raros nos cânones das literaturas dos países americanos.
Um olhar mais atento perceberá o absurdo dessa situação, pois eles se destacam desde o Harlem Renaissance até os dias atuais, tais como Langston Hughes, Aimé Césaire, Zora Neale Hurston, Nicolas Guillén, Manuel Zapata Olivella, Eulália Bernard, Patrick Chamoiseau, entre tantos outros.

Agora, deparo-me com o cubano Alberto Guerra Naranjo (1963) na pequena, porém de grande consistência, recolha de textos de “com tato cubano”. São quatro contos incessantes, a partir de uma escrita fragmentada, espiralada, de ritmo efervescente, transgredindo espaço e tempo, encadeando situações díspares, por vezes irônicas, delineadas por diferentes narradores que se encontram com coerência pela habilidade narrativa de Naranjo. 

Relevante a maneira como as tensões raciais surgem nos contos. São situações comuns aos negros da diáspora, desvelam-se diante da percepção que as relações raciais do cotidiano cubano estão distantes de aceitar a diferença.

A literatura negro-cubana de Alberto Guerra Naranjo contribui ao questionar as imagens que temos de Cuba, rasurando as ideias fixas de certa propaganda e propõe o desafio à ressignificação da colonialidade do poder que anula a diferença. 

Sensível às lacunas do mercado editorial que a Coleção Cabeças Olmecas surge para preencher, diversificar e potencializar as estantes, enfatizando a tradução de autores negro-diaspóricos em prosa e poesia, inéditos ou dispersos em antologias publicadas no Brasil. Um excelente passo inicial foi dado com Alberto Guerra Naranjo. "

Ricardo Riso


Sobre o autor

Alberto Guerra Naranjo (Havana, Cuba, 1963) é graduado em História e Ciências Sociais, professor de roteiros audiovisuais do Instituto Superior de Arte da Universidade de Havana.
Produtor cultural e coordenador dos espaços Toma del Cuento e Sin Azúcar. Coordenador do grupo de criação literária on line Café Naranjo.

Publicou os livros de contos Disparos en el aula (Extramuros, 1992), Aporías de la feria (Extramuros, 1994), Blasfemia del escriba (Letras Cubanas, 2000 e 2002) e o romance La Soledad del tiempo (Union, 2009).

Possui contos publicados em várias revistas e antologias nacionais e internacionais, tem obras traduzidas para inglês, francês, italiano, alemão, português e dinamarquês.

É realizador de projetos audiovisuais e obteve como roteirista o prêmio internacional Broad Casting Caribe, como melhor obra do ano de 2011 com Los Heraldos Negros.

Obteve vários prêmios em concursos literários com destaque para o prêmio da Gaceta de Cuba, em 1997 e 1999, o único escritor a recebê-lo até o momento.

Texto retirado na íntegra de Riso - Sonhos não envelhecem

Sem comentários: